Vida que segue


 Eu vou morrer. É um fato. Não estou doente. Gozo de boa saúde. Fique tranquilo. Por mais que eu esteja bem hoje eu sei que o espetáculo da vida tem fim e que não vou conseguir impedir. Porém há alguns anos atrás tomei uma séria decisão sobre a fragilidade da vida e a certeza da morte. Se, de fato, tudo é passagem e o espetáculo vai continuar sem a minha presença devo, portanto, viver plenamente todos os suspiros das emoções boas e não levar tão a sério os acontecimentos ruins.
Torna-se assim inteligente da minha parte viver o hoje. Não é mesmo? Este momento único que só é eternizado para quem sente, vive e entende.