DÊ ADEUS AOS APEGOS MATERIAIS EXCESSIVOS

Mesmo conscientes de que vamos morrer e que tudo é temporário e emprestado continuamos nos apegando no que não deveria ser apegado e valorizando o que não merece ser valorizado.
Certo dia comecei uma coleção de xícaras e canecas. Uma, duas, três dúzias e quando me dei conta eu tinha uma prateleira de canecas adoráveis, porém quando uma visita chegava para beber café eu ficava com receio de que em um momento de descuido ela fosse parar no chão e tudo que restaria seriam cacos. Já não teria cor, nem desenho e nem forma.
E isso aconteceu inúmeras vezes.
Eu parei de colecionar xícaras e canecas faz tempo. Comecei a esvaziar o armário, tirar os meus excessos não por medo de quebrar, mas de não aceitar que algo pequeno tivesse mais destaque do que o prazer da presença de alguém tomando café comigo.
Hoje não me apego em coisas, afinal se a vida é apenas uma passagem devo colecionar a fé, o amor, a generosidade e deixar tudo fluir. Eis o que não se quebra a fé nas coisas do alto.
Quando compartilhamos o que temos recebemos de Deus o que de fato precisávamos e, seguramente eu não precisava da fragilidade das xícaras que se perdem com o tempo, mas da elevada força sobrenatural de uma vida com propósito.