Falando de amor ou da ausência dele



Oração poderosa para sua vida:
blogsucursino.com

A vida nos surpreende diariamente nos gestos, nos olhares, nas atitudes inesperadas, nos abraços que nos encontramos, no aperto de mão calorosa que transmite a dose de animo exata para seguirmos nossa caminhada.
São tantos ciclos, estações e emoções tão diferentes umas das outras, assim como as pessoas que convivemos no trabalho, na faculdade e na nossa própria família. É fácil gostar de alguém no primeiro instante, naquela tarde de sorrisos largos ou naquela festa animada. Naquele instante em que tudo é adrenalina, atração e chamego é fácil gostar e se envolver.
 O difícil é quando a venda dos nossos olhos é arrancada e diante de nós fica escancarada toda a nudez da vaidade do outro, das manias do outro, do ego do outro e facilmente notamos que o olhar mudou, que o gesto tão carregado de amor já não é o mesmo e, que talvez a mudança não tenha sido notada só de um lado, mas sentida plenamente por ambos.
O amor fortalece. Sentir-se amado nos impulsiona a experimentar o novo e a buscar o impossível. Não me refiro ao amor entre homem e mulher apenas, mas entre amigos leais e principalmente quando nos damos conta que amar a si mesmo é cuidar, é ficar atendo aos nossos desejos maiores, aos nossos sonhos antes reprimidos em função das pessoas.
Amor à vida, amor a si mesmo, amor ao outro, amor a quem você é. Sim. O sentimento em plenitude te faz enxergar tudo com olhos carregados de esperança.

Ouso até dizer que as melhores amizades são firmadas em tempos difíceis e crescem nas diferenças. Sabe, às vezes, tudo fica cinza, as cores desaparecem, as pessoas se afastam por coisas pequenas, opiniões bobas e, um dia após nos darmos conta que as banalidades ou as emoções ruins passageiras foram maiores que o entendimento, a compreensão e a alegria de ter o outro perto de nós, sim, eis o momento de buscar refúgio e abrigo ao lado daqueles que sentiram saudade de nós e que conseguem compreender que falhamos, mas que sabemos da importância de nos redimir.

Sabe quando é difícil amar o outro? Eu diria que quando diante de nós instala-se o inverno na alma em que a emoção já não nos toca, que o amor já não é buscado e que a alma foi ficando vazia.
É difícil amar quando o outro se torna um peso difícil de carregar, quando as diferenças ganham mais destaque que a compreensão e a aceitação do jeito de ser do outro, quando o abraço já não nos acalma, quando a voz antes tão mansa torna-se ríspida, quando o carinho já não nos aquece, mas nos distancia.

Não é fácil amar quando existem lacunas, brechas largas ou quando as falhas do outro não conseguimos perdoar.

O gelo vai derreter, sabemos disso. Um dia aquecemos novamente. As faíscas surgem e voltamos a ser quem um dia trancamos em um quarto escuro e frio. A primavera vem para florir nossa alma, assim como as boas pessoas cruzam nosso caminho só para aumentar a nossa convicção de que vale manter acesa a chama do amor dentro do nosso coração.