Enxaqueca: O que é? O que pode desencadear uma crise? Como tratar?



Se você pensa que a enxaqueca é apenas uma dor de cabeça que ao tomar medicamento vai passar e nunca mais vai voltar está muito enganado.
Você sabia que a enxaqueca afeta 3 mulheres para cada um homem. Estamos falando de um total de mais de 30 milhões de pessoas. É um número elevado que sofre com intensa dor e que não busca tratamento logo que surge os primeiros sintomas, recorrendo assim a medicação sem prescrição médica.

A dor é intensa a ponto de não conseguir seguir com a rotina normal. Abusar de analgésicos é o que a maioria acaba fazendo. Quem quer sentir dor?
Imagina sentir dor por mais de 4 horas? Há casos em que o paciente afirma sofrer 72 horas.
Procure um neurologista caso sinta dor mais de duas vezes na semana.
O neurologista precisa observar o seu histórico familiar, se alguém na sua família tem enxaqueca, ouvir sobre as suas crises de dor e a duração das mesmas. Boa parte dos neurologistas não solicitam exames necessários para diagnosticar a enxaqueca e com isso receitam apenas medicamento para dor de cabeça.

Sintomas como: náuseas e vômitos são comuns para quem tem enxaqueca.
Durante o período menstrual a tendência a ter crise de enxaqueca devido a diminuição do estrogênio e com isso a dilatação dos vasos sanguíneos aumenta.
Luz forte, cheiro forte ou barulho aumenta a possibilidade de ter uma crise de enxaqueca.
O exame de tomografia ou ressonância serve de base para o médico observar se o paciente tem aneurisma ou até mesmo um tumor.

Na maioria dos casos o que funciona é seguir tomando medicamento que evita ou reduz a dilatação dos vasos sanguíneos, neste caso, o médico após diagnosticar o seu problema irá prescrever sumatriptana que, dentre outras funções reduz a dor. A inflamação que causa a crise precisa ser tratada e reduzida para que o paciente siga uma vida melhor. O naproxeno é um dos mais eficazes.

Vale lembrar que somente o seu médico pode receitar este tipo de medicamento. Pare de tomar 
remédio sem a orientação do seu médico. Os danos podem ser terríveis. Não coloque a sua vida em risco.

Procure um neurologista para avaliar a intensidade da sua dor e o melhor tratamento.